• marketing.liderfm@gmail.com
  • (61) 3434.3406 (61) 99321.9363
News Photo

'Zero possibilidade de o Solidariedade apoiar o Bolsonaro', diz Paulinho da Força

  • GDF
  • Abril 17, 2022

O presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força, disse neste sábado, 16, que não há qualquer possibilidade de ele e seu partido apoiarem a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL). "Zero”, afirmou o deputado federal, que deve se reunir com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, na próxima semana para rediscutir os termos da aliança em torno do nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O encontro é exigência de Paulinho, que quer saber qual papel caberá ao Solidariedade na futura aliança depois que ele foi vaiado em ato que reuniu militantes e sindicalistas com Lula na quinta, 13, em São Paulo. “Diante do ocorrido, queremos saber o que pensa o PT. O Solidariedade não quer ser o patinho feio dessa aliança, queremos discutir uma aliança ampla entre aqueles que estão descontentes com o governo Bolsonaro e não apenas entre partidos de esquerda, mas de centro. Ou seja, uma aliança muito maior do que pensa talvez uma parte do PT.”Depois da vaia, o Solidariedade cancelou a reunião da Executiva do partido, inicialmente marcada para o dia 3 de maio. A data seria usada justamente para oficializar o apoio a Lula, antes do lançamento oficial da pré-candidatura petista, planejada para ocorrer no dia 7 de maio. “Foi só isso que mudou. O Solidariedade quer a aliança, mas não só com os partidos centro.”

A decisão de Paulinho de adiar o anúncio do apoio a Lula levou o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), a tentar atrair o Solidariedade. Em áudio revelado pelo O Antagonista neste sábado, o aliado de Bolsonaro afirma a Paulinho que ele será muito melhor tratado pelos apoiadores da reeleição.

“Vem pra cá. Aqui você vai ter só festa, alegria, e bons amigos cuidando de você. Nós estamos prontos para cuidar melhor de você, rapaz. Venha para o lado dos bons, das pessoas que gostam de você. Esse povo lá não presta não", diz Ciro Nogueira na mensagem a Paulinho, que responde dizendo que estava pensando na proposta. Ao Estadão, no entanto, o deputado disse que a fala se deu em tom de brincadeira.“Ciro é meu amigo, companheiro, independentemente de partido e de posição que ele tenha no governo. Foi uma conversa de amigos. Ele me mandou na brincadeira e eu respondi na brincadeira. Não tem nenhuma possibilidade de a gente apoiar o Bolsonaro, isso não tem dúvida”, afirmou Paulinho, que disse ter recebido uma ligação nesta manhã da presidente nacional do PT.

“A Gleisi me ligou hoje para marcar uma reunião para discutirmos essa aliança ampla. Perguntou se eu estaria em São Paulo na segunda ou na terça para fazermos uma reunião e discutirmos dentro desses parâmetros de aliança, que envolva também partidos de centro. É isso que queremos.”

Na sexta, Gleisi afirmou ao Estadão/Broadcast Político que a vaia sofrida por Paulinho não teve nenhuma relação com o PT. "(A vaia) Foi de um pequeno grupo e não tem nada a ver com o PT. A maioria da nossa militância entende como importante o apoio e presença do Solidariedade e dele (Paulinho) na coligação com Lula. Queremos que ele esteja conosco nessa caminhada", disse a dirigente partidária.Pelas redes sociais, a deputada federal elogiou Paulinho da Força e seu partido neste sábado. Gleisi disse que ambos são "muito importantes" na frente pela democracia e pela reconstrução do Brasil e disse que o adversário é Bolsonaro e sua política.

Lula compartilhou a mensagem e afirmou estarem "todos juntos para restituir o diálogo, o respeito, os direitos dos trabalhadores e a democracia".

Paulinho e seu partido indicavam há algum tempo que apoiariam Lula na corrida pela Presidência. O dirigente chegou a convidar Geraldo Alckmin (PSB) a se filiar à legenda para compor a chapa com o petista. O Solidariedade é um dos poucos partidos de centro dispostos a apoiar Lula já no primeiro turno da eleição.

Alguns petistas costumam lembrar que o presidente do Solidariedade votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016.  fonte  estadao

Compartilhar

Comentários

Fale com a diretoria. Você gostaria de enviar uma mensagem diretamente, com sugestões, ideias ou mesmo críticas?