• marketing.liderfm@gmail.com
  • (61) 3434.3406 (61) 99321.9363
News Photo

Bolsonaro se filia ao PL, sela volta ao Centrão e acena para outros partidos

  • GDF
  • Dezembro 01, 2021

BRASÍLIA — Após dois anos sem partido e meses de tratativas, o presidente Jair Bolsonaro selou nesta terça-feira, 30, sua volta ao Centrão ao se filiar ao Partido Liberal (PL) pelas mãos do ex-deputado Valdemar Costa Neto, presidente da sigla que foi condenado e preso por corrupção e lavagem de dinheiro no mensalão. Trata-se da oitava troca de partido feita por Bolsonaro desde o início de sua carreira política. O ingresso no PL consolida a ruptura com o discurso que o elegeu em 2018, mas visa fortalecer o presidente, que enfrenta queda na popularidade e tentará a reeleição no ano que vem.

A cerimônia de filiação simbolizou um esboço da aliança eleitoral que o Palácio do Planalto costura para 2022. Estiveram presentes a cúpula do Progressistas e do Republicanos, partidos com os quais o presidente também negociou. Ao discursar, Bolsonaro disse que “nenhum partido será esquecido” e que irá compor nos Estados para indicar candidatos a senador e governador.Na cerimônia, aberta com uma oração do pastor Marcos Feliciano (Republicanos-SP), um dos cerca de 20 deputados que deverão entrar na legenda, Bolsonaro destacou sua carreira política como parlamentar e, ao lado de ministros, tentou desconstruir a imagem de que conduz um governo militar. Quase todo o primeiro escalão do governo estava presente. Ministros militares apareceram na cerimônia, mas não se pronunciaram. Entre eles Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que associou integrantes do Centrão a ladrões durante a campanha eleitoral de 2018.

Em casa

“Estou me sentindo em casa. Vim do meio de vocês, fiquei 28 (anos) dentro da Câmara”, disse Bolsonaro aos parlamentares presentes. O presidente desconversou sobre a campanha pela reeleição, embora seus aliados tenham indicado que “em 2022 é 22”, referência ao ano que vem e ao número do PL. Também se filiaram na terça-feira ao PL o senador Flávio Bolsonaro (RJ) e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

No evento, o partido se apropriou de programas do governo Bolsonaro. Cartazes destacavam os leilões da tecnologia 5G, a nova legislação do saneamento, a integração do São Francisco e o Auxílio Brasil. “O presidente que fez o maior programa social do mundo agora é do PL”, destacava a decoração da mesa composta pela cúpula do Centrão, Bolsonaro, seus filhos, parlamentares e ministros.

“Temos a exata responsabilidade ao empunhar as bandeiras de sua obra à frente de um governo que nunca se intimidou”, disse Valdemar Costa Neto ao dar as boas vindas a Bolsonaro. Após a condenação, Costa Neto ressurge como expoente da política nacional e deverá absorver entre 20 e 30 deputados bolsonaristas.Haverá uma avalanche de filiações”, afirmou o líder do PL na Câmara, Wellington Roberto (PB). Adversário de Bolsonaro, o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), avisou, porém, que deixará o partido. Caciques estaduais do PL não descartam destituir diretórios que não aceitarem o novo alinhamento político.

Dote

Com a filiação, Bolsonaro terá mais estrutura, tempo de TV e recursos para a campanha do que teve na disputa anterior, pelo PSL. O PL é o terceiro maior partido da Câmara, com 43 deputados. Deve passar dos 60, com novas filiações, mas é o tamanho da bancada eleita que define a quantidade de recursos públicos recebidos pelo partido e seu tempo de TV. Em 2020, o PL teve acesso a um fundo eleitoral de R$ 117 milhões e a um fundo partidário de R$ 45,7 milhões.

Confira todos os partidos pelos quais Bolsonaro já passou

PDC (1989–1993)

PP (1993)

PPR (1993–1995)

PPB (1995–2003)

PTB (2003–2005)

PFL (2005)

PP (2005–2016)

PSC (2016–2018)

PSL (2018–2019)     fonte   estadao

Compartilhar

Comentários

Fale com a diretoria. Você gostaria de enviar uma mensagem diretamente, com sugestões, ideias ou mesmo críticas?